sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Localização estratégica atrai pókestops para perto dos hotéis da Nacional INN
Araraquara, Barretos, Campinas, Franca, Piracicaba e Ribeirão estão entre as cidades que têm pókestops nas proximidades de bandeiras da marca
A febre do aplicativo Pokémon Go tomou conta das ruas no mundo inteiro. E, no Brasil não é diferente. De celular em punho, gente de todas as idades saem à caça. Atrás do monstrinho virtual, jogadores em carne e osso se mexem, se agitam e deixam de lado o sedentarismo. É bom? É ruim? Tem contraindicação? O fenômeno é muito recente para qualquer avaliação apressada ou conclusiva. 
Enquanto os museus de Nova Iorque, Londres e outras capitais do mundo atraem visitantes por conta dos pókestops, no Brasil os ‘points’ de caça a Pokémons estão por toda parte - estátuas, prédios históricos, monumentos, igrejas e demais localizações estratégicas de cada município. Dentre elas, estão as unidades da marca Nacional Inn Hotéis, presentes em 23 cidades de sete estados brasileiros. 
Dan Inn Araraquara e Dan Inn Barretos têm pókestops em frente. Já no Dan Inn Anhanguera (Campinas), Dan Inn Franca, Nacional Inn Piracicaba, Dan Inn e Golden Park Uberaba; unidades Ribeirão Preto (Dan Inn, Dan Express, Golden Park, Nacional Inn e Vilage Inn os pókestops ficam a poucos metros. O fenômeno também se verifica nos hotéis Golden Park e Nacional Inn Salvador e no Golden Park Rio de Janeiro. 
As unidades paulistanas Dan Inn Higienópolis, Dan Inn Planalto, Nacional Inn e São Paulo Inn também estão na rota dos caçadores do Pokémon. Em Poços de Caldas, a poucos passos dos hotéis Dan Inn e Plaza, está a Praça Pedro Sanches, cartão postal da cidade onde o pókestop tem atraído muita gente. E no Nacional Inn São José dos Campos, o pókestop tem feito a alegria de muitos hóspedes fissurados na nova onda. 
Para o diretor da marca Nacional Inn, Daniel Santos, “a viralização do jogo entre milhões de aficionados ganhou o status de referência midiática. A marca Nacional Inn Hotéis, em função da localização estratégica das suas unidades, absorveu a onda de bom grado. Só recomendamos cuidado aos caçadores de todas as idades, para evitar acidentes”. 

Workshop ABAV-SP destaca novas responsabilidades e oportunidades às agências de viagens
 
Klaus Kühnast (Bekup) , Evandro Correa (Bekup), Roberto Roman (Travel Ace) e Marcos Balsamão (ABAV-SP) 

A recente regulação do mercado de seguro viagem no Brasil, em vigor a partir do último dia 23 de março e de acordo com regras estabelecidas pela Resolução 315 da Superintendência de Seguros Privados – SUSEP implica em novas responsabilidades e oportunidades para as agências de viagens. “Seguro é cobertura de incertezas; é o que propicia uma rede de proteção voltada ao bem-estar das pessoas, a razão de ser do nosso negócio”, afirmou Marcos Balsamão, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens – ABAV-SP, ao comentar a aplaudida apresentação dos palestrantes Evandro Correa e Klaus Kühnast, ambos da corretora Bekup Soluções em Seguros, convidados para conduzir o Workshop ABAV-SP ontem – 30/08/2016 –, no auditório da Travel Ace, em São Paulo, Capital.
Alguns dados, tais como: apenas 49 milhões de brasileiros possuem algum tipo de seguro; o custo médio de uma consulta médica no exterior é de US$ 1,350; do atendimento básico para acidente ortopédico (braço quebrado) nos EUA é de U$$ 8.000; de uma intervenção cirúrgica (apendicite) é de US$ 30.000; do transporte de ambulância para distâncias de até 20 km é de US$ 532; de uma consulta ao dentista é de US$ 1.000 e de uma diária para internação hospitalar na França é EUR 1.200. falam por si, considerando que existem planos de seguro viagem no Brasil comercializados por US$ 50, que cobrem até US$ 250 mil.
Em outras palavras, “não faz sentido vender um plano de cobertura de US$ 3 mil para quem viaja aos EUA”, sentenciou Correa. Kühnast complementou ao lembrar que “a responsabilidade da venda consultiva representa também uma excelente oportunidade de receita adicional”. Ao término da apresentação, foi destacada também a oportunidade de o agente de viagens atuar no mercado com a venda consultiva de seguro para eventos, com foco no organizador e expositor. Tema que os dirigentes da Bekup deverão aprofundar durante a 44ª ABAV Expo Internacional de Turismo, de 28 a 30 de setembro, no Expo Center Norte, em São Paulo.
O papel das seguradoras inclui assumir os riscos de todas as coberturas mínimas exigidas por lei: morte; invalidez permanente; despesas médicas, hospitalares e odontológicas – que também é conhecida pela sigla DMHO; regresso sanitário; translado médico e de corpo.
A partir da segunda quinzena de setembro, todos os agentes de viagens poderão fazer inscrição gratuita nowww.abavsp.com.br e participar do curso EAD da ABAV-SP: ‘Treinamento para a venda de Seguro Viagem’, com direito a certificado da entidade e da Travel Ace, desde que alcancem nota igual ou superior a sete, antecipou o presidente da ABAV-SP.